EXCLUSIVO VD TAÇA BRALI - CENTRO CULTURAL RECREATIVO RAIMONDA


Raimonda, Paços de Ferreira. Freguesia da capital do móvel, que a nível desportivo é representada pelo centro cultural e recreativo que ostenta o nome da terra à 36 anos. Fundado a 23 de Outubro de 1980, o Centro Cultural Recreativo Raimonda tem no futebol a sua actividade dinamizadora com todos os escalões activos e, 300 sócios pagantes.
No campo Eng. Edgar Oliveira, miúdos e graúdos, praticantes e seguidores do clube passam alguns serões a assistir ao verdadeiro futebol do povo, num campo pelado que está época entrou na história da Taça Brali, e onde o Moreirense Futebol Clube recrutou os jovens futebolistas Vítor Camelo e Pedro Barbosa, segundo nos confidenciou o presidente Domingos Moura, 62 anos, há 10 temporadas na presidência da modesta colectividade pacense, que sonha com o melhoramento da sua infraestrutura desportiva, para solidificar o trabalho realizado na formação e alimentar a sua equipa sénior.
Adelino Moreira 29 anos, um dos mais jovens treinadores dos campeonatos da AF Porto, é um dos grandes obreiros da chegada dos raimondenses à final da taça distrital. Tinha tudo para ir pelo caminho mais fácil, à medida que alguns jogadores foram abandonando o clube com a época a decorrer. Muitas vezes tem 11 jogadores para treinar, outras vezes menos. Conta actualmente com 15 atletas, que nem sempre comparecem aos treinos na totalidade.
Persistiu e ajudou o clube a fixar-se na 5ª posição da série 2 da 2ª Divisão Distrital, juntamente com a fantástica campanha na Taça Brali, que surpreendeu adeptos, mas principalmente os participantes nas competições distritais do futebol portuense.
Nas últimas três eliminatórias da Brali, o Raimonda derrotou o Custóias FC (1ª D) nos oitavos, SC Rio Tinto (DE) nos quartos e, o Valadares Gaia FC (DE) nas meias finais através da decisão por penaltis.
Para a festa ficar completa e a história terminar com um final glorioso, o Estádio Capital do Móvel, palco do FC Paços de Ferreira, recebe no domingo, 29 de Maio de 2016 pelas 16 horas, a finalíssima da Taça Brali entre o Centro Recreativo Popular de Barrosas e, o Centro Cultural Recreativo Raimonda, duas colectividades com boas relações institucionais.
A Voz Desportiva falou com os protagonistas de Raimonda em vésperas do tão ansiado encontro, que pode pela primeira vez na história do futebol português, colocar na próxima época um clube da divisão distrital mais baixa da sua associação, na festa da Taça de Portugal.



Vozes de Raimonda


Presidente

Domingos Moura

"Somos um clube pequeno. Temos muito respeito pela nossa realidade".

"Não podemos ambicionar grandes coisas"

"Somos representados dignamente por jogadores da terra. Não exigimos muito deles".

"Temos 20% de possibilidades para ganhar esta final. Vamos agarrar-nos a isso, nada nem ninguém nos impede de sonhar".

"Esta participação na Taça Brali entusiasmou as nossas gentes, que desde que garantimos o acesso à final procurou informar-se sobre a data, hora e local do jogo".

"Estamos todos ansiosos pelo dia da final".

Treinador

Adelino Moreira

"Chegar a uma final a comandar um clube modesto é um feito enorme. Fizemos das fraquezas forças para ultrapassar as dificuldades".

"A tarefa de preparação dos jogos é muito difícil, num clube onde se joga por amor à camisola e paixão pelo futebol".

"Quando há cenários com alguma visibilidade não falta quem queira assumir protagonismo".

"Fui sondado por outros clubes. É assim a vida de um treinador, mas neste momento estou focado no Raimonda e no jogo da final da Taça Brali",

"Estejam os que estiverem nos treinos, treinamos sempre de uma forma competitiva e, quando o assunto é competir procuramos dar tudo por tudo pelo nosso clube".

"Realizamos um percurso de sonho na Taça Brali, ninguém imaginou que chegar à final seria possível".

 "Nunca sonhei com o jogo da final, mas quero que os nossos adeptos nos apoiem do primeiro ao último minuto para juntos entrarmos na história do nosso clube e do futebol português".

Capitão Rui Nunes


"Este grupo é especial. Somos uma família, jogamos com amor à camisola".

"Somos poucos mas bons, encaramos cada jogo como se de uma final se tratasse".

"Não somos favoritos para vencer a final da Taça Brali, mas em campo somos 11 contra 11 e vamos lutar até ao final dos 90 minutos pela vitória".

"Concentração, raça e atitude são importantes para vencermos o jogo".

"Peço aos nossos adeptos que se juntem a esta grande festa, para juntos concretizar-mos o nosso sonho, vencer a Taça Brali e marcar presença na Taça de Portugal na próxima época".

O Guardião

Vítor Hugo

"Não me considero um especialista a defender grandes penalidades, mas na hora sou frio o suficiente para enfrentar a situação".

"Não sou jogador de lotaria, mas neste caso, a chegada à final da Taça Brali é um prémio mais do que merecido para o nosso clube e a nossa freguesia".

"Não fui sondado por nenhum clube até agora, mas gostava que a Taça Brali fosse a montra para ter a oportunidade de jogar em divisões mais acima".

"Estou bastante ansioso pelo dia do jogo, tenho a certeza que vamos demonstrar a nossa qualidade e fazer uma boa partida".

"Espero que os nossos adeptos compareçam em força, para juntos fazermos história".



Rui Cardoso
Todo o conteúdo deste blogue é protegido por Direitos de Autor e Direitos Conexos, e Direitos da Propriedade Industrial, ao abrigo das leis Portuguesas e da União Europeia, convenções internacionais e outras leis, não podendo ser utilizado fora das condições admitidas neste blogue e sem consentimento da Rádio Voz Desportiva.